segunda-feira, 22 de março de 2010

Ana Tavares - entrevista concedida a Morgana Matoso















Outro dia eu entrevistei a atriz e escritora ANA TAVARES via e-mail. A entrevista foi publicada no jornal DIÁRIO DO VALE no dia 14 de fevereiro. Vamos a entrevista.
DV: "ALÇA DE MIRA" é uma adaptação de uma peça de MÁRCIO VACCARI chamada "EU TE AMO MEU AMOR". Você conhece a peça ou o Vaccari preferiu não te mostrar, afinal, teatro e cinema são coisas distintas?
AT: Eu não li a peça, mas conheço de ouvir o Vaccari falar. Ele não chegou a enviar a peça e eu também não cheguei a pedir. Mas, recebi o roteiro junto com o convite para atuar no filme. Li e gostei. Em relação a linguagem cinematográfica e a linguagem teatral, apesar de ter o mesmo objetivo que é contar história, é bem diferente uma da outra. A voz muda. No cinema é tudo pequeno, não precisa de impostação de voz como no teatro que o espectador está na última fila e sua voz tem que chegar até ele. Essa é a diferença: O longe e o perto.
DV: Qual sua personagem no filme?
AT: O que posso adiantar é que meu personagem se chama Dalina. É uma mulher sedutora que vai mexer profundamente com o imaginário masculino. Em relação ao filme a história é forte, instigante, e de grande força dramática.
DV: Fale um pouco de ANA TAVARES atriz. Qual seu estilo, características?
AT: Sou uma atriz de teatro, cinema e vídeos. Atuei em 7 peças teatrais, três filmes e cinco vídeoarte. Fiquei 3 anos sem atuar no teatro, pois decidi aprimorar meus conhecimentos. Fui fazer jornalismo, mas não deixei de lado a atriz. Foi nesse período que fiz os filmes e alguns vídeos e escrevi duas peças teatrais. "OS DEGRADANTES" e o "TREM - UMA VIAGEM ENTRE OURO PRETO E MARIANA". Também escrevi e dirigi o curta-metragem "ALMA". Esse ano quero voltar para os palcos e principalmente para o cinema que é o veículo que mais amo e me identifico.
DV: A obra Vaccariana é muito hermética, complexa... As entrelinhas dizem muito. Essa estética será mantida em "ALÇA DE MIRA" ou ainda é cedo para falar sobre estética?
AT: Essa pergunta poderá ser respondida de forma mais completa pelo Vaccari, que é um grande diretor e com talento e criatividade vai surpreender mais uma vez todos nós. Tenho certeza que breve saberemos todas as surpresas que ele está nos preparando.
DV: MÁRCIO VACCARI é um cineasta extremamente talentoso e original. Dono de um olhar apuradíssimo e singular; "ALÇA DE MIRA", embora seja um roteiro Vaccariano traz intrínseco em sua construção elementos polêmicos e "comerciais", como sexo, drogas, homosexualismo, etc. A pergunta é a seguinte: Você acha que apesar de ser uma produção independente e autoral, "ALÇA DE MIRA" pode vir a ser um grande sucesso de público?
AT: Quando aceitamos fazer um trabalho é porque acreditamos nele, na força que ele traz. Eu não tenho a menor dúvida de que "ALÇA DE MIRA" tem todos os ingredientes para se tornar um grande sucesso tanto de crítica quanto de público.
DV: Os laboratórios Vaccarianos são famosos. Vaccari costuma produzir laboratórios inusitados, mas com resultados extremamente positivos. Você já fez laboratório com Vaccari?
AT: Já ouvi muito falar nos laboratórios criados pelo Vaccari. Acho muito importante participar com o diretor na criação do personagem, pois tudo isso torna o trabalho mais fascinante e mostra a categoria e a força desse talentoso diretor.
DV: Finalizando... Sua expectativa em relação ao filme "ALÇA DE MIRA".
AT: A maior expectativa do ator, do diretor, da equipe é levar o filme para a tela, ver o filme pronto. Essa é a maior recompensa. Por que, fazer um filme não é fácil. O primeiro passo é o roteiro, depois tem várias coisas pela frente, desde elenco, patrocinadores, produtores, pessoas que abracem o projeto. A minha expectativa é que possamos atingir o que todos almejam, ou seja, um bom trabalho, uma boa equipe e um ótimo filme. É o que estamos esperando
Conto Poético de Ana Tavares SEM NEXO
Preciso falar de você, com você, com ele, com ela, com todos. Eles irão me ouvir falar de você e você incluído a eles.
Senti-me atraída por aquele ser, indiscreto, discreto, perfeito, imperfeito.
Amei você à primeira vista, é isso, gostei de você.
Atraíste, traíste mais tarde o desejo forte que eu sentia por você, traíste!
Meus olhos procuraram os seus naquele instante e eles corresponderam.
O coração disparou, com certeza foi o sangue, este acelerou nas veias e o coração pulsou por ti.
Ai! Por que pensei, por que te olhei?
Explicar o que ocorreu naquele momento foi bom.
Não sei, sei e não sei, só sei que aconteceu...
Se não tivesse acontecido, eu não saberia, já aconteceu e eu ainda não sei.
Quero e não te quero, já te disse que te quero, mas não é a verdade.
O que é a verdade?
Falaste, explicaste e nada falastes.
O desejo me puxou para perto de você, sem querer fui indo, caminhando sem saber para onde, mas estava indo, ansiosa caminhava, o coração disparado caminhava... Parei, olhei e te vi.
Envergonhada sentei do outro lado da tábua, timidamente olhava por baixo, por baixo eu olhava.
Mais tarde os dedos brancos tocaram meu ombro puxando para perto de um corpo quente.
Os ares quentes se encostaram os lábios que se aproximavam levemente, se tocaram se afastaram e eu parti.
Puxei, puxaram, os nossos desejos nos puxaram, nos aproximaram e os corpos se tocaram... O ar quente novamente!
O vapor dos corpos, dos instintos, desejos, força maior nos aproximaram.
Te quero! Você me quer?
Nós nos queremos, mas não posso, você pode? Acho que não.
Os deveres te chamam, e o compromisso a mim.
Já vou, não posso esperar por ti, não posso ficar.
Já vou indo, ele me espera, tudo me espera, você também.
Vou com eles, mesmo te amando.
Você não precisa de mim, eles sim.
Preciso partir, esquecerei de você e você de mim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário