segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

cabeças cortadas

cabeças cortadas



Sargaço


em armação de búzios
 tenho um amor sagrado
guardado como jura secreta
que ainda não fiz para laís
em teus cabelos girassóis de estrelas
que de tanto vê-las o meu olho  vela
e o que tanto diz  onda do mar  não leva
da areia da praia onde grafei teu nome
para matar a sede e muito mais a fome
entranhada  na carne como flor de lotus
grudada na pele como tatuagem
flutuando ao vento como leve pluma
no salgado corpo do além mar afora
sargaço em tua boca espuma
onde vivem peixes  - na cumplicidade
do que escrevo agora

arturgomes

3 comentários:

  1. Seus poemas são sempre lindos e me encanta esse jogo de palavras.

    ResponderExcluir
  2. Encantada, encantamento ! Adoro seu estilo, Abs

    ResponderExcluir